SOBRE
Osvaldir Castro
Biólogo e Winemaker, ministrando cursos e palestras sobre Vinho (como hobby) e participando de várias confrarias onde, com os amigos, compartilha e troca informações referentes ao tema. Lema: como bom enófilo, Diante de decisões, tomo o vinho.

Os vinhos do sábado na Bekaa

20200215_105741

Uma degustação especial  marcou este sábado na Bekaa. Sob o comando da Mariane foram degustados vinhos oferecidos a preços especiais aos participantes, como tradicionalmente a Bekaa faz em suas degustações do sábado. Vamos aos vinhos.

Geneagricola é a maior fazenda italiana, com mais de 8000 hectares cultivados no território nacional e mais de 5000 na Romênia. Foi  fundada em Trieste, em 26 de dezembro de 1831, com o nome de “Companhia Imperial Imperial Privilegiada de Assicurazioni Generali Austro-Italiche”.  A atividade ocorre em 25 fazendas, em toda a Itália, da Calábria ao Piemonte, do Lácio ao Veneto e até além das fronteiras italianas, na Romênia. Mais de 4 milhões de garrafas produzidas anualmente, 900 hectares de vinhedos, igual a 3500 km de vinhedos! Das 30 videiras cultivadas  nas diversas propriedades, 20 são indígenas. Quase 50 milhões de euros em faturamento, mais de 360 ​​funcionários, mais de 160 anos de história.

Sant’Ana Pinot Grigio 2018 - elaborado com 100% Pinot Grigio, com amadurecimento em cubas de aço, sobre as leveduras, por 3 meses e mais 2 meses em garrafa. Teor Alcoólico de 12,5%. A coloração é de um amarelo-palha com nuance dourada. Os aromas mostram frutas de polpa branca, pera, maçã, notas cítricas e de flores brancas. Na boca apresenta corpo médio, excelente acidez, com sabores frutados e leve toque picante. Bom final refrescante e de ótima persistência, com o cítrico se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos. Preço: R$ 72,55.

Em 1972, Les Gillières tornou-se um domínio excepcional, estruturado, dedicado pelo atual proprietário, a família RÉGNIER, a serviço da vinha e do bom vinho. Les Gillières tornou-se uma área excepcional de 87 hectares, estruturada em torno de duas fazendas. Estendendo-se ao redor de uma magnífica propriedade reconstruída sobre os restos do castelo, o vinhedo Gillières está localizado em Haia Fouassière, às portas de Nantes, na área de denominação de Muscadet Sèvre e Maine. As vinhas estão nas encostas do flanco sul do Loire, desfrutando de múltiplas influências climáticas que fazem toda a tipicidade deste Muscadet. O Domaine de la Guillaudière fica perto das margens do Lago Grand Lieu, em Corcoué-sur-Logne, na área de denominação de Muscadet Cotes de Grandlieu. Com um rendimento controlado, a vinha produz anualmente cerca de 5 400 Hl vinificado no porão de Haia Fouassière.

Château Des Gillières Domaine De La Guillaudière Rosé 2017 – elaborado com 100% Grolleau Noir (típica do Loire), com rápido estágio em tanques de Inox. Teor Alcoólico de 11,5%. A coloração é de um cereja médio. Os aromas mostram morango, framboesa, toques florais e leve mineral. Na boca as sensações do olfato se repetem, com uma acidez leve, com delicadeza e refrescância. Agradável final delicado com o mineral se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 94,39.

A família Bartolommei instalou-seno Município de Montalcino no início do século passado. A família se originou a partir de Podere Marzolo no município de Cinigiano (Província de Grosseto). Em 1911, a família mudou-se para Podere Poggi, uma fazenda na Villa Santa Restituta para trabalhar a terra por meação (a forma típica de gerenciamento de fazenda toscana). Nos anos que se seguiram, a família se mudou várias vezes , até que finalmente chegou à fazenda Caprili em 1952. Em 1965, a família Bartolommei decidiu comprar a propriedade da família Castelli-Martinozzi, com 49 hectares na zona de Villa Santa Restituta. No mesmo ano, 1965, plantou a primeira vinha, chamada de “Madre”, de onde saíram os clones para as novas vinhas plantadas na propriedade. A primeira garrafa de Brunello di Montalcino é da colheita de 1978 e foi colocado no mercado em 1983. O enólogo Paolo Vagaggini  produz seus vinhos sob um ângulo bastante tradicionalista.

Caprili Ilex Sangiovese 2017 – elaborado com 100% Sangiovese Grosso, com pequena parcela estagiando em madeira. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi vibrante. Os aromas mostram cereja preta,  couro,  chocolate e especiarias. Na boca apresenta um corpo médio, taninos suaves e bem integrados, com acidez  equilibrada e leve amargor, que prevalece no bom final. Avaliação: 89/100 Pontos.  Preço: R$ 114,75.

A História da Umani Ronchi começou há mais de cinqüenta anos, em Cupramontana, coração da Verdicchio clássico. Hoje Umani Ronchi é de propriedade da família Bianchi-Bernetti, que desde 1959 produz com cuidado e artesanato, vinhos de alta qualidade, sabendo explorar essas variedades que encontram sua expressão natural e melhor em Marche e Abruzzo: Verdicchio e Montepulciano. De Serra dei Conti, em Marche, em Roseto degli Abruzzi, a empresa tem uma área de vinhas de 210 hectares distribuídos ao longo da costa do Adriático, entre a montanha e o mar. A partir dos anos 70 até hoje, a empresa dobrou a área da propriedade e renovou 85% das vinhas velhas e investiu nas variedades Verdicchio e Rosso Conero.

Umani Ronchi Podere Montepulciano d’Abruzzo 2017 – elaborado com 100% Montepulciano, de vinhedos localizados em Chieti e Teramo. Amadurecimento de 4 meses em tanques de inox. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi brilhante com tons violáceos. Os aromas mostram ameixa, cereja, amora e  toques florais. Na boca apresenta um corpo médio, com  taninos se mostrando em meio ao frutado e acidez equilibrada. Final frutado. Avaliação: 87/100 Pontos. Preço: R$86,70.

Alain Dominique Perrin é uma figura emblemática na França, responsável pelo renascimento e desenvolvimento da luxuosa Cartier. Desde 2003 dirige o segundo conglomerado mais poderoso de marcas de luxo do mundo, o Richemont. Apaixonado por arte contemporânea, navegação à vela e vinho, comprou em 1980 um castelo do séc. XV em Cahors, e, com a ajuda e conselhos de Michel Rolland, dedicou 10 anos ao restauro das edificações, dos jardins e dos seus vinhedos, onde em 1503 já colhiam a Malbec.  Parker definiu o Domaine Lagrezétte como a quintessência de Cahors, e o guia Les Meilleurs Vins de France 2010 da RVF, como le chef de file, ou líder da denominação.

Château Lagrezette Purple Malbec 2016 – elaborado com 100 Malbec, a partir de vinhedos com 15 anos de idade, com amadurecimento por 6 meses em tanques de inox. A coloração é de um púrpura intenso, com muito brilho e transparência. Os aromas mostram ameixa, amora, especiarias, couro, alcaçuz e  toque floral . Na boca apresenta um bom corpo com taninos firmes, mas muito finos, leve adstrigência e algo de adocicado. Bom final com toque floral. Avaliação:  89/100 Pontos. Preço: R$102,80.

A Adega Colomé foi fundada no ano 1831, provavelmente pelo governador espanhol de Salta, Nicolás Severo de Isasmendi e Echalar. No ano 1854, sua filha Ascensión, unida em matrimonio com José Benjamín Dávalos, introduziu em Colomé as videiras francesas Malbec prefiloxera e Cabernet Sauvignon. Três vinhedos de 4 hectares cada um, os quais datam daqueles tempos, ainda produzem uvas que formam parte do vinho Colomé Reserva.Colomé pertenceu às famílias Isasmendi-Dávalos ao longo de 170 anos. Em 1969, a família Rodó adquiriu a estância e adega, e a conservou durante 13 anos. Raúl Dávalos, descendente direto da família Isasmendi-Dávalos, recuperou a antiga granja da família no ano 1982 e a conservou até que o Grupo Hess a adquiriu em 2001.Donald e Úrsula Hess ((possuem bodegas nos Estados Unidos, Australia, Africa do Sul e Europa), visitaram pela primeira vez os Vales Calchaquis em 1998. Estavam procurando o “terroir” perfeito e o clima ideal para produzir vinhos autenticamente únicos na Argentina. O que encontraram foi muito mais do que isso, encontraram um segundo lar. A majestade e a beleza natural de Colomé os inspiraram e os rejuvenesceram. Em 2001 compraram Colomé.A partir de então plantaram vinhedos distribuídos em 4 Estâncias  – La Brava (1750 m) em Cafayate, Colomé (2300 m) cujos vinhedos estão ao redor da Bodega, O El Arenal (2.700 mts) e Altura Máxima (3.111 mts), estas 2 últimas na região de Payogasta-Salta. Além de um moderno centro de vinificaçao, Colomé possui uma Estância, com alojamentos de padrão internacional, restaurante, salas de terapia e um pátio central, onde os hospedes se reunem. E mais, um museu de arte de 1500 metros quadrados, com obras lumínicas, criado pelo artista plástico americano James Turrel, se destaca junto ao centro de vinificaçao.Colomé, hoje, tem 39 mil hectares mantendo uma comunidade com escola, hospital, áreas de lazer e igreja, onde vivem cerca de 500  empregados descendentes das populaçoes nativas que aí viveram antes da conquista espanhola.A aplicação de preparações biodinâmicas; portadoras não somente de substância material orgânica, mas também de forças e de energias que estimulam os processos vivos no solo e na planta. Energia que se transfere também ao ambiente outorgando-lhe o sentido místico que caracteriza Colomé.Colomé é,sem dúvida, uma referência dos vinhos de qualidade e de alta gama na Argentina. Colhe e elabora mais de meio milhão de litros e exporta seus vinhos a mais de 25 países do mundo.

Amalaya Malbec Cabernet Franc Barrel Select 2016 – elaborado com 85% Malbec, 10% Cabernet Franc, 5% Tannat, cultivo biodinâmico, com amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho francês e americano (30% novas). Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram, ameixa, cereja, amora, alcaçuz, pimenta preta e ervas finas. Na boca apresenta bom corpo, com taninos suaves e bem integrados ao frutado, acidez equilibrada. Bom final frutado, com alcaçuz se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 102,80.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.