SOBRE
Osvaldir Castro
Biólogo e Winemaker, ministrando cursos e palestras sobre Vinho (como hobby) e participando de várias confrarias onde, com os amigos, compartilha e troca informações referentes ao tema. Lema: como bom enófilo, Diante de decisões, tomo o vinho.

Os vinhos de setembro da Confraria do Vinho de São José do Rio Preto

GE DIGITAL CAMERA

Vamos aos vinhos da Austrália e da Nova Zelândia degustados na Confraria do Vinho de São José do Rio Preto.

Fundada em 1991, Felton Road esá situada nas encostas de Felton Road, Bannockburn, na região central de Otago, Nova Zelândia. É um pequeno produtor artesanal de Pinot Noir, Chardonnay e Riesling, considerado como um dos mais importantes produtores da Nova Zelândia. Desde 2002, as vinhas têm sido geridas organicamente com o auxílio dos processos biodinâmicos. Os vinhos produzidos por Felton Road são cultuados  na Nova Zelândia e Inglaterra, onde seus disputados Pinot Noir de produção minúscula se esgotam rapidamente.  Os Chardonnay também são ótimos e muito finos. Para Parker, “os Pinot Noirs de Felton Road são realizações inéditas na Nova Zelândia e competem com os vinhos mais finos da Califórnia, Oregon e Côte D’Or (Borgonha)”.

Felton Road Pinot Noir Bannockburn 2010 – elaborado com 100% Pinot Noir, a partir de  uvas de três parcelas distintas,  fermentado com fermento indígena e não foi filtrado. Amadurecimento de 11 meses em barricas de carvalho francês.  Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um  vermelho cereja claro, com média transparência. Os aroma mostram cereja, morango, groselha, framboesa e toques de baunilha. Na boca apresenta um corpo fino, com taninos macios e bem integrados ao frutado que repete o olfato. Final longo, com frutado agradável, e um leve mineral se mostrando. Avaliação:  90/100 Pontos. Preço: R$ 379,00, na Mistral.

 

Fundada em 1944, Kumeu River é um dos melhores e mais tradicionais nomes da Nova Zelândia. São 30 hectares de vinhas cultivadas em solos predominantemente argilosos, que recobrem uma base de arenito. Apesar de estar situado bem ao norte deNova Zelândia, o clima é mantido graças a sua proximidade com o mar da Tasmânia, apenas 20 km para oeste e o oceano Pacífico 30 km a leste. Estas duas grandes massas de água geram nuvens que ajudam a moderar o clima, mantendo as temperaturas de verão de pico abaixo dos 30ºC. A adega da família tem crescido – extensões e adições marcam o processo de crescimento da empresa –, que hoje produz cerca de 250 mil garrafas ao ano. O enólogo é o talentoso Michael Brajkovich, filho dos fundadores, e um dos melhores do país.

Kumeu River Village Pinot Noir 2009 – elaborado com 100% da Pinot Noir, com amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho francês.Teor alcóolico de 12,5%. A coloração é de um vermelho rubi translúcido e brilhante. Os aromas mostram cereja, framboesa, cassis, morango, amora e algo floral. Na boca apresenta um corpo médio, com taninos maduros e bem integrados ao frutado, leve acidez. Um bom final com o floral se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 194,00, na Mistral.

 

Wirra Wirra foi fundada em 1894, mas alcançou grande notoriedade após ter sido adquirida por Greg Trott em 1969. Está localizada em McLaren Vale, onde a maior parte das uvas tintas são cultivadas, dando origem a alguns dos vinhos mais famosos da adega.  Também é a região fonte de uvas brancas premiadas de um seleto grupo de vinhedos em Adelaide Hills, onde encontram-se as castas Riesling, Chardonnay e Sauvignon Blanc – variedades que se adaptam melhor em áreas com climas mais frios. Wirra Wirra utiliza métodos de cultivo biodinâmicos, por quase uma década e recebeu,  em 2003, a certificação biodinâmica do grupo NASAA (Australian and International Organic Certifier).

Woodhenge Shiraz 2011 – elaborado com 100% Shiraz, com amadurecimento de 18 meses em barricas de carvalho francês e americano, sendo  40% novas e 60% de um, dois e três anos de uso.  Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um granada escuro e brilhante .Os aromas mostram um intenso frutado, frutas passificadas, chocolate ealcaçuz. Na boca apresenta um grande volume, com taninos aveludados bem integrados ao frutado. Acidez equilibrada. Longo final com o frutado se mostrando com potência.  Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 334,00, na Mistral.

 

Te Mata Estate foi fundada em 1896, com suas vinhas localizadas  em  Havelock Hills Vineyards, na Baía de Hawke, e são considerados os primeiros vinhedos legalmente protegidos da Nova Zelândia. São 2 vinhedos: o Bullnose Vineyard  uma propriedade de 15 hectares plantados em 1990,  que se destaca pelo cultivo de Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Syrah, Sauvignon Blanc, Semillon e Gris Sauvignon, e o  Isósceles Vineyardtambém de  de 15 hectares que teve sua plantação iniciada nos anos 2000 com as castas Sauvignon Blanc, Chardonnay, Merlot, Syrah, Semillon e Cabernet Franc. Sob o comando de John Buck, uma das maiores personalidades do mundo do vinho na Nova Zelândia, a adega Te Mata produziu vinhos emblemáticos, como seus Coleraine e Awatea,no estilo de Bordeaux, sempre entre os maiores tintos do país. Seu Bullnose Syrah e Elston Chardonnay estão entre os melhores em suas variedades.

Te Mata Bullnose Syrah 2013 – elaborado com 100% Syrah, com amadurecimento de 16 meses em barricas francesas de 1º. e 2º. usos. A coloração é de um granada médio e brilhante. Os aromas mostram cereja, amora, licor de cereja, alcaçuz, mentolado, especiarias, couro e um toque balsâmico. Na boca apresenta um bom corpo, com as sensações do olfato se repetindo, com taninos firmes, bem integrados e acidez equilibrada. Longo final frutado com o balsâmico se mostrando.  Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 425,00, na Mistral.

 

Henschke  está localizada em Keyneton, na região sul da Austrália. A propriedade inclui o Eden Valley, que está entre os vinhedos mais admirados no país por suas históricas vinhas, plantadas em 1860 – uma das mais antigas do planeta. Já a Hill of Grace, outra importante vinícola da família, foi o berço do primeiro vinho Shiraz Single, em 1958, a partir de uvas escolhidas a dedo e vinificadas em fermentadores tradicionais. Os vinhos que a Henschke produz são lendários, elegantes e com uma incrível capacidade de envelhecimento, com alguns exemplares evoluindo por mais de 5 décadas.  Henschke produz apenas vinhos de alta gama, todos elaborados a partir de videiras de cultivo biodinâmico e com baixos rendimentos. Henschke conta com uma coleção de prêmios que inclui nada menos que 20 notas de Robert Parker entre 95-98+ pontos, 39 notas de Jancis Robinson entre 18/20 e 19/20 pontos e 11 notas entre 95 e 99 pontos da Wine Spectator. Curiosidade: a família Henschke fundou, em 1888, uma banda musical através de Paul Gotthard Henschke, que mais tarde liderado por seu filho Paul Alfred,  apresentou o euphonium, instrumento de sopro de latão grande, feito pela famosa fábrica de Zimmermann, em Leipzig, Alemanha, no final do século XIX. Os instrumentos foram cuidadosamente restaurados e permanecem na família Henschke. O nome do vinho é uma homenagem ao instrumento.

Keyneton Euphonium 2009 – elaborado com 62% Shiraz, 23%  Cabernet Sauvignon, 8%  Merlot e 7% Cabernet Framc, do Eden Valley e Barossa Valley.  Amadurecimento de 18 meses em barricas francesas e americanas , sendo 15% novas. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um vermelho granada escuro com tons violetas. Os aromas mostram intensidade, com amora, ameixa, cassis, groselha, alcaçuz e toques balsâmicos. Na boca apresenta ótimo corpo, suculento, com taninos potentes e aveludados, bem integrados e acidez equilibrada. Longo final com frutado intenso e um toque mineral se mostrando. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: R$ 600,00, na Mistral.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.