SOBRE
Osvaldir Castro
Biólogo e Winemaker, ministrando cursos e palestras sobre Vinho (como hobby) e participando de várias confrarias onde, com os amigos, compartilha e troca informações referentes ao tema. Lema: como bom enófilo, Diante de decisões, tomo o vinho.

Os vinhos da semifinal Argentina versus Uruguai

IMG-20180522-WA0006

Vamos aos vinhos do Uruguai e Argentina na confraria Clube dos Amigos do Vinho de Rio Preto, na primeira semifinal da Degustação da Copa.

A Alto de la Ballena nasceu do sonho de um casal que não tinha nada a ver com vinhos. Álvaro e Paula pararam suas atividades em escritórios e resolveram seguir a vida no campo. Começaram as atividades no ano 2000 e depois de 5 anos de colheitas e vinificações, os seus vinhos estão muito bem feitos, com bastante esmero e caráter bem definido. Produzem atualmente 50 mil garrafas por ano que, segundo o Álvaro, são feitos ao estilo dos vinhos franceses de Saint-Emilion.Bodega Alto de La Ballena está sediada na Sierra de La Ballena, no Depto. de Maldonado, perto de Punta Del Leste. Integra o roteiro “Los Caminos Del Vino – Bodegas Familiares del Uruguay”. São 20 hectares dos quais somente 8 de vinhedos. A primeira colheita foi em 2005 e os vinhos chegaram ao mercado em 2007.  A Bodega exporta para México, Brasil e Suécia

Alto de la Ballena Reserva 2013 – elaborado com 85% Tannat e 15% Viognier, com amadurecimento de  9 meses em barricas de carvalho americano de 2° e 3° uso. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi intenso, com reflexos violáceos. Os aromas mostram frutas vermelhas, baunilha, coco, especiarias e toque floral. Na boca apresenta bom corpo, com taninos suaves e acidez equilibrada. Bom final frutado com o toque floral se mostrando. Avaliação:  /100. Preço: R$ 180,00 na Vinhos Mundi

 

Localizado próximo a vários pontos turísticos uruguaios, como Punta del Leste e La Barra, a Bodega Garzon é a combinação perfeita entre história e futuro. Com grande influência da brisa do Oceano Atlântico (a apenas 18 Km de distância), os pequenos vinhedos, com menos de um hectare cada, revelam toda a expressão de seus microclimas. Para a vinícola os grandes vinhos do mundo são elaborados onde a variedade de uva tem as melhores condições, tais como em Garzon, onde seus vinhos representam esta perfeita integração.

Garzon Single Vineyard Tannat 2015 – elaborado com  100% Tannat ,com amadurecimento de   18 meses em barrica  de carvalho. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi intenso com reflexos púrpura e muito brilho. Os aromas mostram morango, cereja, ameixas, notas de tabaco, cacau, chocolate, baunilha e especiarias, além de algo de minerais. Na boca apresenta ótimo corpo, com taninos firmes e boa acidez, repetindo as sensações do olfato, especialmente a mineralidade. Longo final frutado com o chocolate se mostrando. Avaliação:  /100. Preço: R$ 180,00 na Vinhos Mundi

 

A história de Janus começa em 2007, quando o italiano Fabio Balzarini adquire a Estância La Cruz, no Departamento da Flórida, dentro do qual estava a lendária vinícola cuja origem remonta a 1887.Balzarini -proveniente de Franciacorta, Brescia , na Lombardia, tinha como atividade principal da pecuária, mas também se aventurou na produção de vinhos de pequena escala em sua terra natal.O comprador, sem hesitação, colocou o foco na recuperação e revalorização da videira, algo que não fazia parte de seus planos originais e durante os próximos quatro anos resgatou 21 vinhas, quase 60 hectares. A composição A vinha é atualmente de 14 hectares de Tannat de 85 anos de documentário (fonte INAVI) e 3,5 de Folle Noir, as duas uvas que deram origem à vitivinicultura do Uruguai. O resto é do novo Cabernet Sauvignon. Jano leva o nome do deus que, na mitologia romana, tinha duas faces de ambos os lados do seu perfil. Ele era o deus dos fins e começos, e por essa razão ele foi consagrado no primeiro mês do ano (do latim Ianuarius que ele derivou em janeiro), porque ele podia ver o passado e o futuro.

Jano Tannat 2011 – elaborado com 100% Tannat, vinhedos de 90 anos de idade, com amadurecimento de  36 meses em barrica de carvalho. Reor Alcoólico de 12,5%. A coloração é de um  rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram  frutas negras (amora, jaboticaba), geléia de marmelo e toques de menta. Na boca apresenta taninos suaves, acidez viva, repetindo as sensações frutadas do olfato. Longo final frutado com o toque de menta se mostrando. Avaliação:  /100. Preço: R$ 230,00 na Vinhos Mundi

 

Viña Cobos è a visão de um sonhador, que um dia assumiu o desafio de elaborar um grande vinho argentino, um tinto à altura dos mais reconhecidos vinhos do mundo. A partir desse sonho Paul Hobbs têm elaborado vinhos excepcionais e de qualidade superior, que posicionaram o Malbec e a Argentina no cenário dos grandes produtores vitivinícolas do mundo. Paul veio para a Argentina em 1989 e logo foi seduzido pelo terroir e pela tradição cultural do país, onde constatou um potencial único para o Malbec e para outras variedades. Em 1997 Paul conheceu dois enólogos mendocinos, Andrea e Luis, ambos com uma forte tradição familiar ligada à vitivinicultura, e que tinham aperfeiçoado seus conhecimentos na Califórnia. Com eles Paul compartilhou o sonho de elaborar vinhos ultra premium na Argentina. O nome faz referência à rua Cobos onde está localizado um vinhedo muito especial : o vinhedo Marchiori. Cobos e Malbec foram os primeiros vinhos da nova vinícola, produzidos a partir de parcelas especiais do vinhedo Marchiori. Estes dois rótulos demonstraram desde o primeiro momento a elevada qualidade que pode ser alcançada pelos vinhos argentinos, além do compromisso e do rigoroso trabalho dos enólogos, desde o cuidado do vinhedo até a elaboração do vinho. Desde então, os vinhos da Viña Cobos têm sido reconhecidos pela prestigiosa mídia internacional. Atualmente, seu portfólio inclui rótulos que são o resultado de um longo e paciente trabalho na exploração de terroirs e parcelas específicas de Luján de Cuyo e do Valle de Uco, em Mendoza.

Cobos Cocodrilo 2014 – elaborado com 77% Cabernet Sauvignon, 14% Cabernet Franc e 9% Malbec. Amadurecimento de 15 meses em carvalho, sendo 20% carvalho americano novo. Teor Alcoólico de 14,7%. A coloração é de um rubi profundo, escuro e brilhante.  Os aromas mostram complexidade, com cereja, mírtilo, amora, cassis, cravo, canela, pimenta, toque floral, eucalípto e notas defumadas. Na boca apresenta um ótimo volume com taninos firmes, bem integrados ao frutado intenso. Acidez equilibrada. Algo de caramelo. Longo final com o potente frutado e o toque defumado se mostrando. Avaliação: 91/100 Pontos . Preço: R$ 200,00 na Grand Cru.

 

Fundada por Sonia Longo e Emílio Corvalán, a Bodega Corvus é uma vinícola familiar cujo objetivo é expressar a máxima tipicidade dos vinhos de Mendoza. Está localizada em Lunlunta, uma das melhores sub-regiões mendocinas, conhecida pela elevada altitude. Corvus significa corvo e Corvalán “asa do corvo” por isso da homenagem na identidade dos vinhos. Focada na elaboração de vinhos “Top”, conta com a acessória do Winemaker francês Michel Rolland, caracterizando seus vinhos por serem encorpados, amadeirados e de muita profundidade.

Ala Negra Reserva Malbec 2014 – elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento 12 em barricas de carvalho francês de primeiro uso e mais 10 meses em caves. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi profundo e brilhante.  Os aromas mostram cassis, figo, geléia de frutas,notas de tostado, baunilha, cedro, manteiga e defumado. Na boca apresenta bom corpo, taninos volumosos e maduros, acidez em ótima harmonia com a fruta, notas minerais e licorosas. Longo final frutado com o toque mineral se mostrando. . Avaliação:  /100. Preço: R$ 184,00 na Vinhos Mundi.

 

Desde o início da vinícola em 1995, Alberto Antonini reconheceu o potencial da Malbec na região de Mendoza. Foi neste ano que ele, junto com Antonio Morescalchi, um jovem empresário, decidiu explorar as principais áreas vinícolas da Argentina criando uma das mais respeitadas vinícolas da Argentina, a Altos Las Hormigas. No mesmo ano compraram mais de 200 hectares de terras no distrito de Carrizal de Abajo em Luján de Cuyo. O nome da vinícola provém do fato de que quando iniciaram o cultivo das vinhas viram que próximo a elas existiam colônias de formigas, que se alimentavam dos brotos da vinhas recém-plantadas. Decidiram não envenenar as formigas, já que elas eram as “verdadeiras” donas da terra, que com o crescimento das vinhas não mais se alimentaram delas. Além disso, para os argentinos “trabalho de formiga” é um trabalho humilde, paciente e prolongado, um provérbio que vem usando até os dias de hoje.

Alto Las Hormigas Vila Flores Malbec 2013 – elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento de 18 meses em barricas de carvalho francês e afinamento em garrafa durante 12 meses. Teor Alcoólico de 15,5%. A coloração é de um rubi intenso com reflexos púrpura. Os aromas mostram frutas pretas, notas de alcaçuz e couro, toques terrosos, defumados e de chocolate. Na boca apresenta bom corpo taninos sedosos, acidez equilibrada e muita harmonia com o frutado. Longo final frutado com o chocolate se mostrando. Avaliação:  /100. Preço: R$ 270,00 na Vinhos Mundi.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.