SOBRE
Osvaldir Castro
Biólogo e Winemaker, ministrando cursos e palestras sobre Vinho (como hobby) e participando de várias confrarias onde, com os amigos, compartilha e troca informações referentes ao tema. Lema: como bom enófilo, Diante de decisões, tomo o vinho.

Os vinhos da degustação festiva dos Amigos do Vinho de Rio Preto

1544925041307

Na reunião festiva da confraria Clube dos Amigos do Vinho de Rio Preto, além dos cinco rótulos que descrevemos a seguir, foram degustados dois espumantes Victoria, um Brut e um Moscatel, oferecidos pelo Osvaldir Pai e um Caballo Loco 2017, oferecido pelo Alex. Vamos aos vinhos degustados.

Domaine Lafage é um produtor emblemático e bem sucedido da região do Roussillon, na Catalunha Francesa, aos pés dos Pirineus, animado pelo Jean Marc Lafage, viticultor meticuloso e vinificador superdotado, que, além dos vinhos do Domaine produz grandes Cuvées também na Espanha.Em 2016 os vinhos de Jean Marc Lafage conquistaram nada menos que 7 medalhas de ouro, atribuídas pelo exigente júri do Concurso Geral Agrícola sediado em Paris todos os anos, se tornando assim, pela segunda vez,  o produtor mais premiado de uma só vez na historia deste evento. Também em 2016, 3 “Coups de Coeur”, a mais alta distinção atribuída pelo Guia Hachette.

Lafage Tessellae Carignan Vieilles Vignes 2015 –100% Carignan, com amadurecimento de 12 meses em carvalho. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram pouca intensidade, com cereja, amora, framboesa, toques de caramelo e baunilha. Na boca apresenta um corpo médio, com os taninos bem integrados, acentuando as características do olfato e leve adstrigência. Final médio com o frutado se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 120,00, na ViaVini.

Viña Magaña nasceu há  35 anos, estabelecendo uma revolução do vinho em Navarra. Começou sua jornada com o sonho de criar algo novo numa terra em que ninguém apostava: pobre, solo árido mas rico em minerais, onde as ações eram prejudicadas. Introduziu novas estirpes, então não autorizadas das melhores áreas de produção francesas, como Merlot, Cabernet Sauvignon, etc .. Possui mais de 100 hectares de vinhedo próprio e entre 900 e 1.000 barris de carvalho francês. As instalações modernas foram projetadas pelo famoso arquiteto de Navarra, Rafael Moneo. São produzidas as linhas: Viña Magaña, Baron de Magaña, Dignus, Torcas e Calchetas. Seus vinhos são escolhidos pela Casa Real, a companhia aérea Iberia e cadeias Sheraton Hotel Intercontinental.

Magaña Dignus  2012 – elaborado com Tempranillo (40%), Merlot (20%), Cabernet Sauvignon (10%) e Grenache (30%), vinhas de mais de 40 anos, com amadurecimento de 14 a 16 meses em carvalho de segundo uso. A coloração é de um rubi intenso e  brilhante. Os aromas mostram groselha preta, cereja, alcaçuz, ervas finas e carvalho. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e a acidez fresca, repetindo as sensações do olfato. Longo final frutado com o alcaçuz se mostrando. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 100,00, na ViaVini.

Apesar de a vinícola Pulenta ter iniciado as suas atividades somente no ano de 2002, a história da família com a vitivinicultura argentina começou 100 anos antes. Em 1992, Angelo Pulenta e Palmina Spinsonti chegaram de Ancona, na Itália, na Argentina e lá fincaram as raízes de sua família (e de suas vinhas). Passadas três gerações, os Pulenta resolveram transformar a paixão em trabalho e abriram as portas da Pulenta Estate, que mesmo depois do reconhecimento manteve o ambiente familiar, onde cada vinho nasce e é cuidado como um integrante da família.

Pulenta Estate Corte 2015 – elaborado com Malbec, Cabernet Sauvignon, Merlot, com amadurecimento de 12 meses em barril de carvalho. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram Amora, morango, mirtilo, ameixa, flores, pimenta, ervas frescas, algo de baunilha e tostado. Na boca apresenta um  bom corpo, taninos suaves, acidez equilibrada, repetindo as sensações do olfato. Bom final frutado com toque floral se mostrando. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 120,00, na ViaVini.

Foi depois de viajar o Chile de norte a sul que Don Maximiano Errázuriz encontrou no Vale do Aconcágua o terroir ideal para as mudas europeias que trouxe para o país sul-americano em pleno século XIX. Foi pioneiro na exploração do Vale para a produção de vinhos finos e abriu as portas da vinícola batizada com o sobrenome de sua família em 1870. Os seus descendentes herdaram seu espírito visionário e consagraram seus vinhos mundo afora. Hoje, a vinícola é conduzida por Eduardo Chadwick Errázuriz que conta com o enólogo Francisco Baettig, um dos mais respeitados do Novo Mundo.

Errazuriz Max Reserva Carménère 2015 – elaborado com 95% Carménère e 5% Syrah, com estágio de 12 meses em barris de carvalho. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um rubi médio, com muito brilho. Os aromas mostram amora, cereja, ameixa, pimentão assado, tabaco, alcaçuz e toque floral. Na boca apresenta um bom corpo, taninos finos, acidez ótima, repetindo o olfato, com um toque mineral, que se mantem no longo final.  Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 125,00, na ViaVini.

Fundada em 1874, uma Viña Tarapacá de despontou entre os nomes fortes do vinho chileno de qualidade – já em 1876 conquistara um importante prêmio nos Estados Unidos. O cartão de visitas da Vinícola é uma linda Casona, uma construção erguida em 1927 em estilo toscano, a 80km de Santiago. Os vinhedos emolduram a estrada que leva até essa casa de conto de fadas e ocupam um território singular do Vale do Maipo, que é o berço da vitivinicultura chilena e conhecido como um terroir exemplar para como uvas tintas, especialmente um Cabernet Sauvignon. A Viña Tarapacá possui 600 hectares de vinhos ali, mesmo assim não são de reserva de novos territórios – em uma busca incansável por condições ideais de solo e clima para cada variedade de uva expressar de forma plena sua personalidade. Resultado: os vales de Casablanca, Leyda e San António passaram a originar brancos puros, aromáticos e frescos e também tintos delicados à base de Pinot Noir sob a chancela da Tarapacá.

Gran Tarapaca Reserva Carmenère 2017 – elaborado com 100% Carmenère, sendo que 15% do vinho amadureceu em carvalho, por 6 meses. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi médio e brilhante com nuances violáceas. Os aromas mostram  frutas vermelhas, com notas de chocolate e especiarias e algo de vegetal. Na boca apresenta um corpo médio, acidez pontual, taninos suaves e leve amargor. Agradável final frutado com o chocolate se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 50,00, no Atacadão.

Nos barris da vinícola em Lontué, no Vale do Curicó, nasce a história de Caballo Loco. Nelas foram guardadas as melhores reservas de safras antigas dos nossos vinhos. Mas em 1994, o destino os levou a misturar, dando origem a um exemplo único. Um vinho que mistura uvas tintas e assemblage, sem precedentes na história da vitivinicultura chilena e inédita até então na América do Sul. Ele foi batizado como CL nº 1 e enviado secretamente para uma das mais importantes competições mundiais de vinhos na França, obtendo o primeiro lugar em sua categoria.Retornando ao Chile, foi dado o início ao seu engarrafamento e o nome Caballo Loco nº 1. Contudo, devido às regras do Chile, seu fundador e o enólogo da Valdivieso, resolveram apenas engarrafar 50% do conteúdo do barril.O sucesso foi enorme e as vendas acabaram rapidamente. No ano seguinte, com a excelente safra, decidiram tentar mais uma vez. Misturaram 50% do Caballo Loco nº 1 com a nova safra e apenas engarrafaram 50% do blend. Sucesso de vendas novamente e assim começa uma tradição! Apenas 17 safras do Caballo Loco foram produzidas nestes 24 anos. O intuito é manter a qualidade acima de tudo. As variações do Caballo Loco surgiram com a ideia de apresentar os diferentes terroirs dele. Você encontra vinhos dos terrois Maipo, Apalta, Sagrada Família e Limari.

Caballo Loco Grand Cru Apalta 2017 – elaborado com 60% Cabernet Sauvignon e 40% Carménère, com amadurecimento de 18 meses em carvalho. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um granada intenso e brilhante. Os aromas mostram  frutas negras, notas de pimenta, chocolate, baunilha e algo tostado. Na boca apresenta muita personalidade e caráter com firme estrutura e taninos robustos, repetindo as sensações do olfato. Final persistente e marcante, com o chocolate se mostrando. Avaliação: 94/100 Pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.