SOBRE
Osvaldir Castro
Biólogo e Winemaker, ministrando cursos e palestras sobre Vinho (como hobby) e participando de várias confrarias onde, com os amigos, compartilha e troca informações referentes ao tema. Lema: como bom enófilo, Diante de decisões, tomo o vinho.

O Vinho e as almas restantes

eustaquio

Eustaquio Gorgone de Oliveira é de Caxambu, Minas Gerais. Licenciado em Letras e Pedagogia tem sua obra poética publicada em 11 livros, revistas e jornais. Participou da Antologia da nova poesia brasileira, organizada por Olga Savary. Está também na coletânea “A poesia mineira do século XX”, organizada por Assis Brasil. Com o poema “O Vinho e as Almas Restantes” conquistou o primeiro lugar na categoria não estreante, no VI Concurso Literário de Bento Gonçalves, concorrendo com 63 participantes. Vamos conhecê-lo.

 

                             1

                             Houve uma época em que os amantes

                             resistiam aos embates do tempo.

                             Seus corpos, uma vez lavrados,

                             não perdiam a marca do cinzel.

                             Também a alma parecia aos mortais

                             articulada de pernas e ventres,

                             cujos engonços moviam-se nos ares

                             à despeito da morte.

                             Deste tempo só nos restou o vinho

                             que permeia nossos ossos como prova

                             de sua líquida memória:

                             ainda agora vence os dias

                             que da madeira e do espírito escaparam.

 

                             2.

                             Vede Paulo e Laura unidos

                             como dois nomes no rótulo,

                             dissolvidos na mesma vasilha!

                             Que filho virá deste prazer?

                             Baco ourives? Talvez tecelão,

                             Lenhador, marceneiro, moleiro,

                             violinista, condutor de ônibus.

                             Talvez com cabelos semelhantes

                             ao deus morador de mil cidades

                             e das velhas cartas geográficas.

                             Ou apenas um assecia do sonho

                             que vai ao mercado e traz na cesta

                             os vinhedos do Norte e do Sul.

 

                             3.

                             Os colecionadores de moedas

                             recolhem o mundo seco:

                             não podem engolir efígies.

                             Quem deseja conhecer os povos

                             (mesmo preso na tela do cotidiano)

                             busca a companhia do vinho

                             que supera a ordem das coisas.

                             A linha que seu compasso risca

                             desloca pelas noites de ócio

                             até as terras da precipitação:

                             aqueles desviados das tavernas

                             retornam ao início da história.

                             Sob tal governo, o da alegria,

                             Não há cabeça de louco ou sábio

                             habilidoso ou destro que não encontre

                             seu próprio dorso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.