SOBRE
Osvaldir Castro
Biólogo e Winemaker, ministrando cursos e palestras sobre Vinho (como hobby) e participando de várias confrarias onde, com os amigos, compartilha e troca informações referentes ao tema. Lema: como bom enófilo, Diante de decisões, tomo o vinho.

Castas (H,I,K,L e M)

 

Huxelrebe

A Huxelrebe é uva branca originada de cruzamento artificial entre a Gutedel e a Courtillier Musqué em 1927. Além da Alemanha, nas regiões do Rheinhessen e  Pfalz, encontra-se essa espécie na Inglaterra. Os vinhos são aromáticos, encorpados, com toque de rababa e, até moscada. Em 1969 essa uva foi reconhecida.

Inzolia

A uva branca Inzolia é cultivada na Sicília e também na Toscana. O vinho é seco e aromático (aroma de nozes), especialmente no corte (mistura) com a Catarratto Bianco. É também utilizada para a Marsala.

Kerner

A uva branca Kerner produz vinhos semelhantes ao Riesling: frescos, boa acidez e toque de moscada. Resulta do cruzamento da uva vermelha Trollinger com a branca Riesling, em1929 na cidade de Weinsberg (Württemberg), Alemanha, por August Herold. Seu nome foi em honra do poeta da cidade Justinus Kerner. É um dos cruzamentos mais bem sucedidos, resistindo à geada. Sua desvantagem é ser suscetível à praga Oidium.

Lambrusco

Lambrusco é variedade de uva vermelha antiga, resultante da Vitis vinifera silvestris. Na verdade, é uma denominação para cerca de 60 variações de uvas, que são cultivadas na Itália  (Emilia-Romagna, Lombardia e Tirol do Sul) e na Argentina sob o nome Lambrusco Measini. Lambrusco é um vinho perolado, leve e possui aroma de frutas. A cor do Lambrusco é pouco vivaz, sendo comum adicionar-lhe uvas corantes como a Ancelotta ou a Rossissimo. É vinho para ser consumido jovem. Lambrusco já foi cultivado pelos etruscos. Era chamado de Trecenaria pelos romanos, pois a cada manhã, rendia 300 ânforas de vinho. A vinha é robusta, mas é difícil obter Lambrusco de alta qualidade.

Léon Millot

Léon Millot é uma uva vermelha resistente a fungos, criada em 1911 através de cruzamento da Vitis riparia x Vitis rupestris com a Goldriesling (resultado do cruzamento da  Riesling x Courtiller Musqué Précoce  em 1880). Léon Millot amadurece rapidamente e é reistente a geadas e a climas úmidos. O movimento ecológico fez com que essa espécie fosse cultivada na Suíça desde os anos 80, com autorização especial, visto que seu plantio era antes proibido. Também é cultivada na Elsácia e no norte dos Estados Unidos. O vinho resultante da Léon Millot é suave, com leve tanino.

Macabeo

A uva branca Macabeo produz vinhos de alto teor alcoólico, pouca acidez e aroma de flores. Quando a colheita é tardia, há maior buquê  de flores e menos ácido. Essa uva resiste à aridez, sendo cultivada na Espanha. Em Rioja é a espécie mais cultivada sob o nome Viura. Em Penedès, serve, junto ao Parellada e Xarel-Lo à produção do espumante Cava. Também é cultivado no Languedoc-Roussillon, onde serve, com a Grenache Blanc e a Bourboulenc, à produção dos vinhos brancos  Minervois, Corbières e Côtes du Roussillon. (AOC).

Malbec

A maior área de cultivo da uva Malbec está hoje na Argentina, pois oferece as condições ideais. Também encontra-se na França, pertencendo aos Bordeaux clássicos junto ao Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc. Vinhos Malbec são ricos em álcool, aroma de frutas e são escuros.

Malvasia

Malvasia é uma denominação que serve a uma grande família, apesar de que as uvas nem sempre tenham a mesma origem. As uvas Malvoisie da França não têm relação  com as Frührote Veltliner da Áustria, também chamadas de Malvasier. As uvas antigas eram denominadas de acordo com o seu local de origem, como no caso da Malvasia, e suas nomenclaturas foram traduzidas para cada língua, dando origem a tais dificuldades. Há uva Malvasia de todas as cores, a maioria clara, da qual originam-se vinhos doces e de alto teor de álcool. A fácil oxidação, atribui ao vinho uma cor intensiva, servindo à produção de vinho para sobremesa. Há muitas variações da uva Malvasia na Itália, onde ocupa uma área de 500 km² de vinhedos. As mais importantes são a Malvasia Bianca, Malvasia di Sardegna e Malvasia Istriana, assim como as uvas tintas Malvasia Nera, Malvasia Nera di Casorzo e Malvasia Schierano. Servem ao Vin Santo e ao Vinho do Porto. Há cultivo da Malvasia na Espanha, Iugoslávia, Califórnia e apenas em pouca quantidade no país de origem, Grécia.

Malvasia Nera

Malvasia Nera é uva tinta cultivada na Apúlia e na Toscana, pertencente à família da Malvasia. Como espécie unicamente utilizada para a fabricação do vinho, somente é utilizada no Piemonte, no Malvasia di Cosorzo e no Malvasia di Castelnuovo Don Bosco, que são vinhos produzidos em rara quantidade. É utilizada para o corte (mistura) com a Negroamaro. O Cabernet Sauvignon vem aos poucos tomando o espaço de cultivo dessa uva.

Malvoisie

O nome Malvoisie é alterado de lugar para lugar: na Suíça, é Savoyen e também Grauburgunder, em Languedoc, é Bourboulenc ou Maccabéo,Torbato em Roussillon e Vermentino na Córsega. No entanto, nem todos os sinônimos utilizados servem a mesma uva, mas sim a suas variações ou mutações. Descobrir essas diferenças é tarefa da Ampelografia.

Mammolo

Mammolo é espécie de uva da Toscana, conhecida desde o século XVII. É hoje utilizada para a produção do Chianti e do Vino Nobile di Montepulciano. Chama-se Mammolo porque cheira à flor viola.

Marastina

A uva branca Marastina é espécie cultivada na Croácia, na ilha de Lastovo e Korcula e na costa do páis. Também é denominada Maraskin, Rukac, Rukatica e Marastina Mala. Seu aroma de ervas é marcante. Serve à produção de Prosek.

Maréchal Foch

Maréchal Foch é espécie de uva resistente a fungos, que foi criada pelo francês Eugène Kuhlmann. A denominação foi uma homenagem ao marechal francês Foch, responsável pelo cessar fogo a após a II Guerra Mundial.  É o resultado do cruzamento da uva Goldriesling com uma espécie americana. Amadurece rapidamente e se adapta ao clima frio. Pode ser encontrada no norte dos Estados Unidos, Canadá e Suíça

Marsanne

A uva branca Marsanne é cultivada no vale do Rhône e em Midi. Também é conhecida como Marsanne Blanche na França. Na Espanha, chama-se Marsana e, na Suíça, Ermitage. O vinho é geralmente amarelo-ouro, encorpado e aromático, com toque de amêndoa e marzipan. É muitas vezes misturada nos vinhos ácidos. É encontrada no vinho Hermitage branco e tinto e no Roussanne.
Na australiana Victoria, a Marsanne é tradicional e das mais antigas, Seu cultivo cresce na Califórnia.

Mauzac

Mauzac ou Mauzac Blanc é uva branca cultivada quase que somente no sudoeste francês, onde também é chamada Blanquette. Em Languedoc, é produzido o Blanquette de Limoux, bem antes de existir Champagner. O vinho é aromático e encorpado, de buquê típico de passas de maçã. Adequado à barrica.

Mazuelo

Mazuelo é uva vermelhe denominada na espanhola Rioja Carignan.

Merlot

Merlot (foto) é a espécie de uva tinta mais cutivada na região de Bordeaux, especialmente na mergem direita do Gironde. Serve mais à assemblage com o Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon e Malbec. Em Pomerol, o Merlot é cortado (misturado) com o Cabernet Franc em pequena quantidade, mas também serve à produção de vinho puro, como no caso do Château Pétrus e Château Le Pin. No Saint-Emilion e Graves o Merlot é o vinho principal. Os vinhos Merlot podem ser apreciados jovens, mas também apresentam potencial para serem armazenados durante muito tempo.  Assim como os Cabernets, o Merlot conquistou grande parte do mundo. O Merlot é cultivado também na italiana Friaul, em Tessin (Suíça), na Bulgária e na Moldávia, assim como nas Américas do Sul e do Norte e na Austrália. A Merlot cobre cerca de 1700Km2 no mundo, como a sexta uva mais comum.  Os vinhos Merlot são vermelho-escuros, suaves e possuem teor médio de álcool. eventualmente, podem ter aroma de ameixa.  A uva amadurece cedo, cerca de duas semanas antes do Cabernet. O vinho também pode ser consumido cedo.  Talvez daí seja originado o seu nome, do pássaro que saboreia a primeira uva madura da parreira: o melro preto (merle). A origem da uva é francesa a partir do cruzamento natural que envolve a Cabernet Franc. Serve bem aos barris de carvalho e barricas.

Merseguera

A Merseguera cresce principlamente na Espanha, na região de Alicante, Jumilla e Valencia. Há pequenos vinhedos em Mallorca e Penedès, onde também é conhecida como Esquitxagos. Também pode ser encontrada na Algéria. Amadurece cedo e produz vinhos medianos.

Molinara

Molinara é espécie de uva tinta cultivada na Lombardia e em Veneza. Os vinhos tintos são ricos em aroma de frutas e em acidez, fazendo parte do Valpolicella, Amarone, Bardolino e Recioto Classico. São sinônimos: Breppon, Molinara Ciara, Molinara Rada e Rossanella.

Monastrell

A uva vermelha Monastrell ocupa cerca de 1.000Km2 dos vinhedos espanhóis, assim como a uva Bobal. Adapta-se a regiões secas La Mancha dentre outras. A casca grossa das pequenas uvas são responsáveis pelo gosto doce, riqueza em tanino e álcool, cor escura e pouco ácido dos vinhos produzidos a partir dessa uva, que serve à produção de vinhos sem misturas. O ácido pode ser obtido pelo corte com o Bobal. Monastrell não é idêntico ao francês Mourvèdre, conforme resultado de análise genética.

Monica

Monica é espécie de uva vermelha, cultivada na Sardinha. Os vinhos produzidos a partir dessa uva são o Monica di Sardegna e o Monica di Cagliari. A maioria é leve e deve ser consumido jovem. Dizem que a Monica tem origem espanhola e a espécie californiana Mission é idêntica ou da mesma família.

Moscato

Moscato é espécie de uva muito conhecida, também chamada Muscat Blanc à Petits Grains, Moscato Bianco, Moscato di Canelli und Moscadello. Os vinhos mais conhecidos são o Moscato d’Asti e o Asti Spumante DOCG.

Moscophilero

A uva branca Moscophilero cresce principalmente no Peloponeso, na região da Mantinia. A uva Moscophilero  é levemente vermelha, mas possui polpa branca, também usada como uva de mesa. O vinho assemelha-se ao Muskateller. O vinho branco Mantinia é picante. Também é utilizada para a produção de vinho Rosé e espumantes.

Mourvèdre

A uva vermelha Mourvèdre tem suas raízes no sul da França, na Provence, no sul do  Rhône e no Languedoc-Roussillon. As uvas Mourvèdre são pequenas, com cascas grossas e doces, que originam vinhos ricos em tanino e álcool, fortes e com aroma de amora. É raramente utilizada sozinha, servindo mais como parceira da Syrah, como também da Grenache e Cinsault. Faz parte dos vinhos Châteauneuf-du-Pape e Bandol. Provavelmente é originada da Espanha, cujo nome deve advir da localidade de Murviedro em Valencia, já que é idêntica à espanhola Monastrell (resultado de análise genética datado de 1998).  Amadurece tarde e necessita de clima quente.

Müller-Thurgau

A uva Müller-Thurgau é cultivada na Alemanha, Áustria e Suíça. É preciso ser podada para evitar que a grande quantidade produzida diminua a qualidade do vinho. Müller-Thurgau-Wein é amarelo-claro, suave, baixa acidez e com aroma de moscada. Após o  Riesling,o Müller-Thurgau é a segunda uva mais cultivada na Alemanha, com 400 km². Na Áustria, serve ao Sturm, e na Suíça, ocupa 5% dos vinhedos. Müller-Thurgau é o cruzamento artificial de maior sucesso (do Riesling com a Madeleine Royale). Dessa uva, surgiram a Bacchus, a Goldriesling e a Findling (da mutação).

Muscadelle

A uva branca Muscadelle é cultivada principalmente na região Entre-deux-Mers em Bordeaux, onde há mais de 3/4 da cultura dessa uva e de onde se supõe ser a sua origem.  Ao que parece, não pertence à família Muskateller. Sua propensão à Botrytis, a torna rico componente de vinhos finos doces, como o Sauternes, Barsac e Monbazillac. Seu aroma sugere assemblages (misturas) com o Sauvignon Blanc e Sémillon. Também é cultivado na Elsácia e no leste europeu.  Na Austrália, a Muscadelle foi, durante muito tempo, confundida com a espécie húngara Hárslevelü, já que essa faz parte do Tokajers ou Tokay. Esse vinho de sobremesa é servido como licor Tokay.

Muscat

Da uva branca Muscat são produzidos os melhores vinhos da família Muskateller. A uva é corretamente denominada Muscat Blanc à Petit Grains Ronds, o que aponta para os pequenos e redondos frutos, diferenciando-os dos Muscat d’Alexandrie. Dessa uva são produzidos vinhos doces excelentes como Vins doux naturels, o Muscat de Beaumes-de-Venise. Muscat possui um típico toque de Muskat (moscado) que sobressai quando misturada a outra qualidade de uva. Também pode apresentar aroma de temperos e flor de laranjeira, dependendo da idade e da localização do vinhedo.  A Muscat cobre cerca de  800 km² de vinhedos, adaptando-se melhor às regiões quentes. Como é espécie antiga do Mediterrâneo, há muitas variantes e denominações, como Moscato d’Asti na Itália, Moscatel na Espanha, Gelber Muskateller na Áustria, Muscat Lunel na Hungria. A Muscat também pode ser encontrada na Austrália e na Califórnia. As variantes da Muscat produzem espécies vermelhas como a Muscat Rosé, conhecida no Leste Europeu e na Rússia como Tamyanka. A Muscat d’Hamburg é um cruzamento entre a Trollinger com a Muscat d’Alexandrie. A Muscat Bleu é um cruzamento entre a Garnier e a Seyve-Villard, que com exceção do nome e do toque moscado, não tem maiores semelhanças com a Muscat Blanc.

Muscat Bleu

Muscat Bleu é espécie de uva vermelha resultante de um cruzamento na Suíça por volta de 1930. É resistente contra pragas e  à geada. As uvas amadurecem cedo, são grandes, ovais e volumosas, servindo também como uva de mesa.

Muskateller

Muskateller é uma denominação que serve para uma grande quantidade de espécies de uva, na maioria brancas. Em geral, faz referência à espécie Muscat à Petits Grains Ronds.

Fonte: Adega 24

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.